domingo, 23 de março de 2014

Demonstrações Contábeis da Petros: Exercício 2013

Conselho Fiscal recomenda por unanimidade a rejeição das Prestações de Contas da Petros

 
Epaminondas de Souza Mendes         e          Ronaldo Tedesco Vilardo

O Conselho Fiscal da Petros recomendou por unanimidade a rejeição das Demonstrações Contábeis da Entidade referente ao ano-base 2013. (Veja aqui o parecer do Conselho Fiscal na íntegra).

Segundo o conselheiro fiscal eleito Ronaldo Tedesco, esta decisão, inédita na história da Fundação Petrobrás de Seguridade Social – Petros, coloca a discussão sobre as contas da Petros num patamar superior ao que tivemos até agora: “Nos últimos 10 anos as contas da Petros tem tido recomendação de rejeição pelo Conselho Fiscal através do voto de qualidade de seu presidente. Já no ano passado, as contas por plano foram rejeitadas por unanimidade, enquanto que o balanço consolidado foi rejeitado por voto de qualidade. Apesar disto, todos os anos o Conselho Deliberativo tem aprovado as contas. Ou por voto de qualidade ou contando com o voto do representante da FUP no Conselho Deliberativo, que aprova sistematicamente todos os atos e propostas da Petrobrás e da Petros.”

A rejeição unânime das contas excluiu o Plano TAPMEPREV, administrado pela Petros de maneira separada de todos os demais planos de benefícios e cujas contas obtiveram o voto favorável do Conselho Fiscal. Todos os demais planos – patrocinados e instituídos, incluindo os Planos Petros do Sistema Petrobrás e o Plano Petros-2 – tiveram suas contas rejeitadas pelo Conselho Fiscal. Assim como a demonstração de contas consolidada da Entidade.

O Presidente do Conselho Fiscal, Epaminondas de Souza Mendes, que nos explicou como foi construído este processo: “Penso que esta unidade se deu através de debates realizados entre os conselheiros fiscais por todo um ano de trabalho exaustivo sobre todos os procedimentos relativos a gestão do nosso patrimônio, bem como a gestão do patrimônio do Fundo Administrativo da Petros, que ao nosso entendimento vinha e vem sendo feita de maneira equivocada pela atual diretoria e suas gerências. Não faltaram indicações deste Conselho para a Diretoria Executiva, bem como para o Conselho Deliberativo alertando-os das incoerências notadas e anotadas por nós, conselheiros fiscais. Pouco ou quase nada foi acatado. Por estas e outras muitas razões é que nos unimos em defesa do patrimônio dos participantes e assistidos da Petros".

Epaminondas falou ainda sobre a metodologia de trabalho do Conselho Fiscal: “Sob o meu comando, o Conselho Fiscal tem executado os seus trabalhos de maneira democrática em todas as situações. Jamais se discute qualquer pauta monocraticamente. Toda assunto de pauta é debatido exaustivamente ouvindo-se a opinião de cada conselheiro e em nenhum momento a presidência determinou a sua vontade. Adotamos com hábito ouvir a opinião de cada um, para só depois decidirmos. Ao meu ver, este procedimento sintonizou o entendimento de conselheiros eleitos e indicados, uma vez que o que está em jogo é o nosso patrimônio. Estas são as minhas considerações sobre a coerência dos Conselheiros em votar por unanimidade rejeitando as contas da Petros”.

O conselheiro fiscal, Ronaldo Tedesco, frisou os desdobramentos esperados: “O Conselho Deliberativo da Petros tem reunião nesta semana para avaliar as contas da Entidade. Esperamos primeiramente que a unanimidade do Conselho Fiscal possa sensibilizar todos os conselheiros deliberativos para que não voltem a utilizar o voto de 'qualidade' para aprovar contas imotivadamente. É preciso que o Conselho Deliberativo responda tecnicamente aquilo que o Conselho Fiscal aponta de inconsistente. Com o resultado desta reunião, deveremos ir à Brasília, novamente. A Previc será notificada por nós mais uma vez de que as contas da Petros foram reprovadas pelo Conselho Fiscal da Entidade, desta vez por unanimidade.”

Além do parecer unânime do Conselho Fiscal, os conselheiros fiscais eleitos anexaram o seu voto contendo as demais razões pelas quais rejeitaram a prestação de contas, como tem sido feito todos os anos pelos Conselheiros Eleitos da Petros.


4 comentários:

  1. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  2. Boa tarde. Sou repórter do Valor Econômico e gostaria de falar com os membros do Conselho Fiscal para entender melhor as questões que fizeram com que vocês dessem parecer contrário às demonstrações de 2013. Teria algum e-mail ou telefone em que eu possa encontrá-los? Meu e-mail é thais.folego@valor.com.br. Obrigada

    ResponderExcluir
  3. Seu participanta do plano PETROS e gostaria de saber o porque da rejeição, pois para mim é um assunto muito importante e quero saber o que esta se passando dentro da entidade. Caso exita um caminho para ver este parecer de rejeita, favor me enviar.

    ResponderExcluir
  4. é de suma importância que nossos representantes continuem atentos nessa questão de aprovar e desaprovar os balanços apresentados pela direção da petros, vejo com bastante cautela no atual momento da gestão do atual governo.Qualquer investimento que possa por em risco nosso patrimônio construído com bastante sangue e suor.

    ResponderExcluir