sábado, 27 de novembro de 2010

R$ 2,6 Milhões entregues sem luta pela FUP à TRANSPETRO deixam Conselheiros Eleitos indignados

Um artigo de Ronaldo Tedesco*


Que o Plano TRANSPETRO é ruim, todos nós sabemos. Do tipo contribuição definida, o chamado CD puro, o Plano TRANSPETRO está longe de ser uma ferramenta de RH para a patrocinadora. E longe de ser um Plano de Previdência aos participantes.
Vá lá, mesmo com o nome PETROS no carimbo da rentabilidade, pode ser um Plano de Capitalização, nada mais.
A reivindicação natural dos trabalhadores seria a incorporação da TRANSPETRO ao Plano PETROS do Sistema Petrobrás, como mais uma das patrocinadoras. Isonomia a todo o funcionalismo e a defesa de um verdadeiro Plano de Previdência Complementar, do tipo benefício definido, com todas as garantias que o Plano PETROS do Sistema Petrobrás tem, incluindo o chamado “seguro salário”.
Infelizmente, muitas lideranças sindicais dos trabalhadores da TRANSPETRO, conduzidas por um ex-conselheiro da PETROS, derrotado nas urnas pelos participantes e atualmente diretor da ANAPAR – Associação Nacional de Participantes de fundos de Pensão, defenderam uma reivindicação “diferente”. Defenderam o Plano PETROS 2, como alternativa a estes trabalhadores.
Entre um plano CD puro, e um Plano de Contribuição Variável, ainda inferior ao Plano PETROS do Sistema Petrobrás, os trabalhadores abraçaram esta bandeira. A fraqueza de suas direções poderia ser superada, talvez, em outro momento.
Qual vendilhões da pátria, estes dirigentes, vinculados à Federação Única dos Petroleiros – FUP, há muito tempo não defendem o que é melhor para os trabalhadores. Defendem o que é melhor para os patrões. A TRANSPETRO agradece...
Fosse somente esta a traição dos “neopelegos”, ficando por aí suas traquinagens, já traziam assim provável prejuízo aos assistidos do Plano TRANSPETRO. Afinal, a retirada de patrocínio, condenada publicamente pela própria ANAPAR, não garante o benefício destes. Sem nenhuma garantia, a justificativa de que eram somente seis companheiros envergonha a todos que seriamente estão nesta luta em defesa dos direitos dos participantes da PETROS.
A própria legislação, pavorosa e de 1988, defenderia melhor os direitos que a negociação levada a cabo por tais fariseus.
Mas o resultado final do processo negocial ainda é pior que pareceria à princípio. O saldo da conta coletiva – na casa dos R$ 2.600.000,00 (dois milhões e seiscentos mil reais) ficou todo para a patrocinadora TRANSPETRO, com as bênçãos dos dirigentes da FUP e da Diretoria Executiva da PETROS, contando, é claro, com o voto dos Conselheiros Indicados, e o voto de minerva da Presidente do Conselho Deliberativo em exercício.
Restou aos Conselheiros Eleitos firmar posição. Não fazemos discurso para os dias de festa. Nosso posicionamento é cristalino. A retirada de patrocínio não pode prejudicar a nenhum participante, mesmo que seja do interesse da maioria. Há condições para a patrocinadora bancar qualquer prejuízo neste processo com o próprio saldo da conta coletiva (dois milhões e seiscentos mil reais que a FUP só pensou em entregar para a TRANSPETRO). Mas não está entre as preocupações da outrora combativa federação, nem do ex-conselheiro.
A alegação de que as negociações já teriam acontecido nos aborrece e envergonha mais uma vez a própria história destes dirigentes. Há, no entanto, uma cultura entre estes que, para negociar, é preciso entregar direitos sem lutar.
Preocupado em agradar os patrões, o ex-conselheiro fecha novo acordo em prejuízo dos participantes da PETROS, para alegria das patrocinadoras, que vivem em estado de graça com o neopeleguismo à frente dos sindicatos.

* Ronaldo Tedesco é Conselheiro Deliberativo Eleito da PETROS e diretor da AEPET

3 comentários:

  1. Esse neo peleguismo a que se refere o companheiro Ronaldo Tedesco e fruto da mais stalinista (Conhecida pela barbara traição praticada aos próprios companheiros durante a revolução Russa)das correntes petista que se caracteriza como a direita da direita do PT. Que hoje não passa de um partido de centro direita como o PMDB e outros tantos coligados com o PT. Tanto isso é verdade que hoje estes dois grandes partidos (PT e PMDB) praticamente dividem o poder. Homens conhecidos dos brasileiros, como corruptos e desonestos, como os Srs. Sarney, Quércia, Renan Calheiros, Michel Temer, Jader Barbalho e outros tantos do mesmo naipe, estão alinhados com os poderosos do PT como o Sr. Zé Dirceu, Palocci, Gushikem, que é o homem que esta por trás de todas as falcatruas cometidas nas diversas entidades de previdencia privada, inclusive na Petros, Jenuino, Lula e toda a camarilha da tendência majoritária do Partido dos Trabalhadores a "Articulação Sindical"!
    Essa tendencia espulsou grandes e valorosos quadros do partido, companheiros fundadores, lutadores, que buscavam sempre a luta em busca de justiça para a classe trabalhadora e nunca a luta em benefício próprio como acontece agora com essa pelegada safada do PT/CUT/FUP. São verdadeiros traidores, crápulas e covardes. porém uma hora a casa cai! E eu tenho esperança que as categorias, diversas onde a CUT manipula e impera, possam um dia acordar e descobrir em mãos de que tipo de pessoas estas categorias se deixaram estar, se deixaram dominar. O dia que isso acontecer, ai poderá haver uma verdadeira revolução trabalhista neste país!

    ResponderExcluir
  2. Caro José Cassio. Ca estou eu novamente a comentar este assunto. Meu lema: NUNCA CONFIE EM UM SINDICALISTA. Apesar de conhecer nobres e serios companheiros sindicalistas ( na época SINDIQUIMICA em Duque de Caxias ligado à PETROQUISA-FABOR )hoje a cartilha dos sindicatos é a mesma do PT atual: "QUANTO É QUE EU LEVO NISTO?". A categoria não importa. E os trabalhadores cada vez mais oprimidos se deixam dominar por esta classe desonesta. A grande praga no Brasil foi o PT. Olhe a origem do PT! Chegou no que é hoje. Falo por mim: NUNCA ME ENGANEI. Eu votei no Collor ( sem opção ) para não votar no LULA.

    ResponderExcluir
  3. É preciso ter muita prudência na RETIRADA DE PATROCÍNIO e ser respeitado, acima de tudo, o DIREITO ADQUIRIDO, a BOA FÉ, o ATO JURÍDICO PERFEITO, a AUTONOMIA DA VONTADE, o CARÁTER SOCIAL DOS CONTRATOS DE PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR.

    Infelizmente estão sendo desrespeitados milhares de obreiros e famílias em vista das retiradas de patrocínio constantemente formuladas nos últimos anos, ainda mais que a Resolução anterior à CNPC 13 autorizava a patrocinadora "ratear" os lucros.

    O Governo tem se mostrado conivente, e deve repensar suas decisões administrativas, para proteger os mais vulneráveis, o que certamente não está sendo observado...

    É preciso dar um basta "na debandada" das patrocinadoras, elegendo-se verdadeiros representantes legitimados a defender os DIREITOS E INTERESSES DOS PARTICIPANTES E ASSISTIDOS, por questão de equidade e JUSTIÇA.

    Daniel Berger Duarte - OAB/RS 61.087, Especialista em Previdência Complementar Fechada
    Fone: (51) 99999031
    O DIREITO É A NOSSA ENERGIA!

    ResponderExcluir