sexta-feira, 9 de junho de 2017

Carta aberta aos associados do GDPAPE

Prezados companheiros,

Fiquei muito feliz com o apoio de membros da coordenação do GDPAPE à  nossa candidatura ao conselho deliberativo da Petros.

Esse apoio reflete o último período de colaboração mútua que estabelecemos na luta em defesa dos interesses dos participantes e assistidos da nossa Fundação.

A cobrança dos valores referentes a RMNR que a Petros contratou junto a Petrobrás foi uma decorrência positiva de nossas iniciativas integradas.

Essa metodologia de trabalho unificado é adotada tanto por nós conselheiros eleitos da Petros que mantém independência frente aos governos e partidos políticos, quanto pelo GDPAPE, o que permite nossa aproximação e as importantes vitórias que estamos tendo em direção à cobrança das dívidas que as patrocinadoras mantém com o Plano Petros ao longo de todos esses anos.

Nessa luta queremos o apoio de todos que querem se somar na defesa dos interesses dos participantes e assistidos da Petros. Quanto mais companheiros unidos, melhores condições de vitória teremos.

Tanto a FENASPE e suas associações quanto a FNP e seus sindicatos são fundamentais para a mobilização dos participantes e assistidos poder ser vitoriosa. Não avançaremos sem essa união. É nesse quadro que o GDPAPE se integra.

Mas infelizmente, o apoio a minha candidatura custou uma série de ataques difamatórios ao GDPAPE. A origem dos ataques é a mesma de sempre: o GDP, o  Grupo em Defesa da Petros, liderado pelo ex-conselheiro fiscal suplente da Petros, Sr. Sérgio Salgado.

Esse grupo político não concorda com a nossa atuação nos conselhos da Petros. A critica que fazem partiu da aquisição pela Petros das ações de Itausa.

Esse investimento foi aprovado em dezembro de 2010,  pelo Conselho Deliberativo da Petros. Na ocasião eu, Yvan Barreto  (já falecido) e Paulo Brandão entendemos que seria um bom investimento e o aprovamos junto com os conselheiros indicados pela Petrobrás.

A rentabilidade de Itausa até agora tem se demonstrado inadequada e abaixo da meta atuarial. Além disso, diversas denuncias de práticas irregulares na operacionalização do negócio têm se confirmado.

Tais irregularidades não puderam ser identificadas por nós, conselheiros eleitos, no momento da aprovação.

Três meses depois, o Conselho Fiscal da Petros emitiu parecer sobre as Demonstrações Contábeis do Exercicio 2010 e não registrou qualquer opinião sobre os problemas que hoje sabemos existir.

Ocorre que esse parecer do Conselho Fiscal na época está assinado pelo próprio Sr. Sérgio Salgado. Ou seja, a acusação dele aos conselheiros eleitos é que não vimos as irregularidades que ele, como conselheiro fiscal, tinha obrigação e teve três meses a mais para verificar e tambem não viu.

A segunda acusação desse senhor é que os conselheiros eleitos nada fizeram para apurar essas irregularidades. Nada mais falso.

O Relatório de Fiscalização Previc n°28/2014 foi analisado pelo Conselho Fiscal da Petros já durante meu mandato fiscal. A Previc autuou o Diretor de Investimento na época da aquisição de Itausa, o Sr. Luiz Carlos Fernandes Afonso.

Solicitei pessoalmente que a Auditoria Interna da Petros fizesse uma investigação mais profunda. Tal apuração foi realizada e está sob análise do Conselho Deliberativo da Petros.

A terceira acusação desse senhor é que em nossa atuação nos conselhos não temos apontado as irregularidades que existem na Petros.

Novamente falso. Denunciamos nos últimos anos mais de 70 investimentos aos órgãos de fiscalização. Estamos recomendando diversas medidas para aperfeiçoamento dos processos internos da Fundação que hoje permitem e facilitam diversas irregularidades. Cobramos procedimentos para uma melhor eficiência na gestão ativa dos investimentos. Recomendamos ações de reparação e responsabilização dos gestores envolvidos. Atuamos institucionalmente pela mudança da legislação, hoje muito permissiva. Atuamos junto a Petrobrás e seu Conselho de Administração para alertar dos principais problemas que vemos na Petros. 

Temos denunciado também a falta de cobrança das dívidas das patrocinadoras, que é mantida há anos pela Petros e pode levar nosso plano a insolvência.

Nossa obstinação nos levou a conquistar importantes vitorias como a cobrança da divida da RMNR  (R$ 168 milhões, em parceria com o GDPAPE), a cobrança do regresso judicial (R$ 4 bilhões em dezembro de 2016), a realização do recadastramento geral da Petros e o reconhecimento pela Petrobrás das inconsistências nos cálculos do passivo atuarial, junto à SEC (a CVM nos EUA) no relatorio 20F deste ano.

E estamos recomendando a Petros que tome providências para entrar com ações civis e criminais face aos responsáveis pelas perdas em nossos investimentos.

Infelizmente, o site "discrepantes", a serviço do GDP, utiliza a mesma metodologia da FUP, quando essa esteve a frente da Petros, ao ignorar pareceres e iniciativas dos conselheiros eleitos e do Conselho Fiscal da Petros. Com isso, tenta criar uma outra realidade. Fazem exatamente aquilo que dizem criticar nas entidades associativas dos participantes e assistidos da Petros.

O Sr. Sergio Salgado nos acusa também de incompetência e desconhecimento técnico das questões relativas a Petros.

Sobre isso, os pareceres do Conselho Fiscal nos últimos 14 anos recomendando a rejeição das contas da Petros falam por nós. A história da Petros está registrada em nossos pareceres. Nos últimos quatro anos, assinados também, de forma inédita e unânime, pelos conselheiros indicados pela Petrobrás que se demonstraram  tecnicamente convencidos dos nossos argumentos.

Como vocês podem obsevar, o GDP e o Sr. Sérgio Salgado fazem exatamente aquilo que dizem condenar: política. Do mais baixo nível. E têm atuado para gerar desconfiança naqueles que lutam. Dividem e difamam aqueles que pensam diferente deles.

Não toleram nem aceitam nossa discrepância com relação a FUP, embora se considerem, eles mesmos, "discrepantes". Colocam um sinal de igual entre nós e aqueles ligados à FUP, somente para se colocarem, eles mesmos, como salvadores da pátria.

Não por acaso, sequer conseguiram formar chapas para concorrer aos conselhos da Petros nessas eleições. Não conseguem se unir nem entre eles. Basta discordar deles que a intolerância e os ataques recomeçam. Vejam como eles irão se comportar assim que essa carta for divulgada.

Toda vez que são contrariados rompem com as entidades que lutam contra a FUP. Fizeram o mesmo com os Conselheiros Eleitos renunciando antes do mandato terminar. Fizeram também com a FNP e com a Ambep o mesmo que agora fazem com o GDPAPE. Atuam para semear a divisão entre  nós. Com isso facilitam os objetivos da FUP.

Não por acaso, a denúncia que fizeram na CPI dos fundos de pensão, que redundou no relatório onde constam os nomes dos conselheiros eleitos, teve como resultado a omissão nesse mesmo relatório do nome de Wagner Pinheiro, presidente da Petros na época. Na ânsia de sua disputa política, o GDP  participou do acordo espúrio que retirou do relatório os nomes envolvidos de fato, para manter os nomes dos conselheiros eleitos. Vergonhoso!

Se queria denunciar todos os conselheiros eleitos que concorreram para o suposto prejuizo na aquisição de Itausa, o Sr. Sérgio Salgado deveria também ter se autodenunciado na CPI dos fundos de pensão. Afinal, não foi ele que, como conselheiro fiscal, assinou o parecer rejeitando as contas da Petros mas sem se referir a Itausa? Não era ele deveria fiscalizar e não o fez? Quanta incoerência!

E agora, com o apoio do GDPAPE a nossa candidatura, atacam mais uma vez um outro grupamento de lutadores que tem atuado sob a liderança de Simeon Arongaus.

A postura de Simeon e do GDPAPE é cristalina: trabalhar para unir e apoiar os que lutam em defesa dos nossos direitos. São aliados nossos na obstinação de cobrar as dívidas das patrocinadoras.

O único crime que cometeram é o Sr. Sérgio Salgado não concordar com isso. Para ele, somente ele é digno, somente ele age, somente ele sabe. Mas quando teve oportunidade, não fez diferente dos que tanto critica.

E ainda lemos insanidades como a de que o acordo de leniencia da JBS foi fruto de suas denúncias. Quanta arrogância! E que ingenuidade acreditar nessas falácias delirantes.

Esses ataques ao GDPAPE e ao companheiro Simeon merecem todo o nosso repúdio. Esperamos que o GDP e o Sr. Sérgio Salgado parem com esse método dos ataques difamatórios. Caluniar e difamar são práticas nefastas.

Para construir a união dos trabalhadores, precisamos dialogar muito. Para destruir,  basta uma palavra apenas.


Ronaldo Tedesco
Presidente do Conselho Fiscal da Petros 
Candidato ao Conselho Deliberativo pela chapa 43.

Nenhum comentário:

Postar um comentário