quinta-feira, 3 de janeiro de 2013

Sobre os resultados da Petros

Prezados Participantes do Plano Petros do Sistema Petrobras.

Ao tempo em que desejamos a todos um FELIZ ANO NOVO informamos que os investimentos destinados ao cumprimento dos compromissos do Plano apresentaram rendimento favorável até outubro do ano findo, acima da meta atuarial prevista. Tão logo tenhamos conhecimento do resultado final do exercício apresentaremos nossos comentários.





Com relação ao resultado superavitário referente a comparação destes investimentos correspondentes ao patrimônio deste Plano BD (reservas constituídas) com a reserva matemática global correspondente, não consideramos correto. Veja o gráfico a seguir:



Nossa discordância se dá porque o cálculo desta reserva matemática foi efetuado considerando na massa global usada os cerca de 20.000 participantes do Grupo Pré-70 cujas reservas são garantidas por recursos independente das contribuições normais dos demais participantes e das patrocinadoras, porque da responsabilidade, expressamente confessada, exclusiva da Petrobras.



Outra questão da maior importância que está merecendo nossa atenção é relativa às hipóteses biométricas e demográficas, entre outras, que devem estar adequadas às características da massa de participantes e assistidos (repactuados e não repactuados) e ao próprio regulamento do plano de benefícios do Plano Petros BD.

Neste caso, um fato novo se faz necessário ser observado. Trata-se da existência de uma tábua de mortalidade denominada tábua bidimensional que foi desenvolvida pelo Professor Rio Nogueira com base em dados correspondentes historicamente aos participantes do Plano Petros do Sistema Petrobras e, consideramos ser mais aderente para cálculo das reservas técnicas do nosso Plano BD, mais adequada do que a AT 2000 (de origem estrangeira) que a direção da Petros insiste em utilizar.

Pela demonstração que assistimos no Congresso da ABRAPP a utilização desta tabela bidimensional vai apresentar resultado mais realista. Esta tábua nacional e com dados brasileiros e, principalmente de petroleiros em especial, recebeu prêmio em evento da ABRAPP e já foi aprovada para uso pela SUSEP (planos abertos) e a PREVIC considera aceitável e recomendável a sua utilização pela Petros.

Esperamos que estes dados possam trazer a todos uma expectativa favorável, sabendo que estamos de olho em nosso patrimônio, vigilantes e confiantes num ano de 2013 repleto de realizações para todos e com o pagamento de nossos benefícios vitalícios sendo garantido pela garantia de investimentos sólidos de nossa Entidade.
Feliz 2013 a todos!

Agnelson Camilo, Emídio Rebelo Filho, Epaminondas de Souza Mendes, Fernando Siqueira, Paulo Brandão, Ronaldo Tedesco e Silvio Sinedino

Conselheiros eleitos pelos Participantes da PETROS

2 comentários:

  1. Prezados,

    Como vocês avaliam a nova meta atuarial (4,5% em 2018)?

    ResponderExcluir
  2. Não é meta atuarial, mas a taxa que pode ser colocada como premissa para o cálculo da meta atuarial. Esta taxa baixou por que a taxa básica de juros do governo brasileiro (SELIC) baixou. Está agora em 7,25%. Isto significa que o governo passou a remunerar com taxas mais baixas seus papéis. Faz isto para incentivar o investimento nos setores produtivos. com isto, a Petros será obrigada a investir em ativos com maior risco. Não dá para manter uma possibilidade de retorno de 6%, como era até então. A nova taxa está em 5,5% e vai ser reduzida aos poucos até 4,5%. Com certeza, será um problema para toda a previdência complementar. Não só para a Petros. Vamos acompanhar de perto. Um abraço.

    ResponderExcluir