sexta-feira, 20 de outubro de 2017

Petroleiros mobilizados contra equacionamento equivocado do PPSP

Compradores da Petrobras não querem
arcar com o equacionamento
     
Escrito por   
Publicado originalmente no portal da AEPET

A AEPET realizou, na última 4ª feira (18), no Clube de Engenharia, palestra sobre o Plano de Equacionamento do PPSP com os conselheiros eleitos Fernando Siqueira, presidente do Conselho Fiscal; Paulo Brandão, conselheiro fiscal; e Ronaldo Tedesco, eleito para o Conselho Deliberativo. Coordenando a mesa, Silvio Sinedino, que já foi representante dos funcionários no Conselho de Administração da Petrobras.

“Temos fundamentos jurídicos sólidos para contestar o plano, mas não nos cabe apenas esperar pela Justiça. É necessário mobilizar os petroleiros para colocarmos 5 mil pessoas na porta do Edise. Somente assim seremos ouvidos”, conclamou Sinedino.

O público presente, que lotou o maior auditório da casa, demonstrou o acerto da iniciativa. Cerca de 350 participantes e assistidos ouviram dos palestrantes que só há uma razão para se propor um plano equivocado, que penaliza as vítimas e exime a principal patrocinadora de suas responsabilidades: preparar a Petrobras para a privatização fatiada e para a entrega do pré-sal.

“Em grau de importância, este evento perde somente para a reunião do Fórum de Debates sobre a Petros, realizada no dia 25/09/2017, que é um marco na unidade nessa luta, cuja iniciativa tem sido dos conselheiros eleitos que também são diretores da AEPET junto aos dirigentes da FNP-FENASPE-GDPAPE”, comenta Ronaldo Tedesco, que em sua palestra ressaltou os avanços rumo à necessária unidade para o sucesso de mais esta difícil empreitada.

Em relação ao pessoal da ativa, está providenciada a realização de um novo encontro, específico para este fim, provavelmente ainda neste mês de outubro, no mesmo local. “Ainda não realizamos este encontro porque temos circulado por todo o país para prestar esclarecimentos aos demais participantes e assistidos”, disse.

Passivo inconsistente

Na opinião dos conselheiros eleitos, o maior problema estrutural da Petros é o passivo atuarial, que representa 40% do déficit de R$ 27 bilhões, acumulado entre 2013 e 2015. “Mas este é um compromisso da Petrobras, que precisa informar números reais”, frisa Tedesco, acrescentando que a falta de números precisos levou à elaboração de um plano de custeio inadequado.

Também a política de RH equivocada, IDV, reconhecimento tardio de horas extras etc. foram causadores de um problema que foi agravado por má gestão dos investimentos devido, em parte, à influência política nas decisões.

Além disso, ressaltou-se que o equacionamento mínimo para o PPSP seria de R$ 16 bilhões, mas no plano apresentado pelo fundo de pensão optou-se pelo valor máximo.

Ressalvando que o déficit técnico é um alerta para o longo prazo (27 anos) e que a Previc ainda não se manifestou quanto ao plano da Petros, Paulo Brandão destacou que, embora o problema deva ser corrigido agora, a Petros não tem problema de caixa. “Na repactuação disseram que não haveria mais desequilíbrio, mas agora acenam com este equacionamento”, criticou.

Os conselheiros criticaram também o acordo feito pela FUP, a partir de recomendação da então presidente Dilma Rousseff, que reduziu à metade, para R$ 4,7 bilhões, a serem pagos em 20 anos, dívidas da patrocinadora que geraram um superávit contábil inconsistente.

“O déficit cresceu tanto porque enquanto o passivo atuarial cresceu, o ativo se desvalorizou devido à crises que derrubaram os investimentos”, comentou Brandão, lembrando que há 14 anos os conselheiros eleitos reprovam as contas da Petros. “Agora resolveram corrigir tudo em um ano”, resumiu, classificando de maquiavélica a forma como o valor do déficit foi apresentado: "R$ 22 bilhões, agravado para R$ 27 bilhões, porque corrigido para 2017".

Para Brandão, o "problema é técnico, mas proposta maquiavélica é eminentemente política para sinalizar ao mercado que a BR e a Petrobras podem ser compradas porque o passivo estará equacionado totalmente e com participação paritária dos participantes e assistidos".

"Assim a questão se tornou mais política do que técnica", resumiu o conselheiro fiscal eleito.
Entrega a preço de banana
Fernando Siqueira foi direto este ponto: “O alvo é entregar o pré-sal a preço de banana”, disse, acrescentando que os compradores da Petrobras não querem arcar com o equacionamento.

Para o presidente do Conselho Fiscal da Petros, não é mera coincidência o que vem ocorrendo nos fundos das estatais que estão na mira da privatização (Funcef, Previ, Postalis, Petros). “Faz parte do plano de desmonte que a quadrilha que assumiu o governo previu no seu programa ‘A ponte para o futuro – dos EUA?’; e o efeito colateral é repassar os R$ 809 bilhões do patrimônio desses fundos para a mão dos bancos representados pelos ministros Meirelles e Goldfajn (Banco Central)”.

Em breve a AEPET irá publicar o vídeo do encontro realizado no Clube de Engenharia.

Clique para ler o material apresentado no Clube de Engenharia pelos palestrantes.

Fernando Siqueira
Paulo Brandão
Ronaldo Tedesco

Nenhum comentário:

Postar um comentário